Eficiência energética, qualidade e segurança se complementam.

Durante muito tempo observou-se no mercado tratativas independentes e isoladas em desenvolver soluções para os cuidados com energia critica.

Quem implementava um sistema de UPS nobreak não estava preocupado com a eficiência do sistema, e tão somente com a disponibilidade e segurança da rede critica. Tínhamos então nobreaks com 70 a 80% de rendimento, e praticamente o dobro de energia para retirar o calor emitido por estes equipamentos. Os sistemas eram tão dispendiosos, que implicavam em orçamentos limitados para uso de baterias de alta qualidade ou com grandes tempos de backup.

Analogamente falar em alto fator de potência para retificadores, singelos ou incorporados em nobreaks, com baixa distorção harmônica de entrada era exigir demais do mercado. Filtros ativos há cerca de dez anos atrás eram de difícil implantação, mais por desconhecimento do comprador técnico, do que pela disponibilidade.

Ainda sobre segurança, o conceito de redundância em equipamentos para sistemas de energia era para poucos conhecedores, limitados a paralelismo de no máximo duas unidades de nobreak.

Pois bem, hoje temos , de forma customizável, combos e produtos de linha que incorporam todos os conceitos de qualidade, eficiência e segurança em sistemas de energia.

Produtos como nobreaks modulares possuem eficiência na casa dos 93%, redundância e expansibilidade em N módulos de diferentes potências e tensões. Podemos chegar com a tecnologia atual a mais de 1 MVA em uma área cerca de 1/3 menor que há cerca de 10 anos.

Estas soluções incorporam também alto fator de potência de entrada (0,99) e alto fator de potência de saída (no mínimo 0,9),  distorção da corrente  de entrada menor que 5% ( a norma IEEE preconiza menos de 10%) e distorção de tensão de saída menor que 1% ( a mesma norma especifica menor que 5%).

Faltou falar da qualidade. Esta , mais que um conceito, deve levar em conta aspectos tais como:

-Procedência do equipamento  e métodos produtivos, certificados ISO9000 e ISO14000, componentes ROHS, rastreabilidade. Serviço de pós-venda e suporte técnico.

-Componentes e dados de projeto, como MTBF e níveis de temperatura de operação dos componentes.

-Customizações, normatização (no Brasil a NR10) e suportabilidade as condições de operação elétricas e físicas.

Um produto atualizado tem um payback comprovado em relação a um equipamento de baixa eficiência e qualidade na ordem de 18 meses (a energia esta cada vez mais cara e escassa).

Vale sempre fazer um estudo sério de implantação, pois a máxima “ o barato sai caro” nunca foi tão atual para este segmento de mercado.